Post em destaque

Fernando de Noronha gastando pouco

Imagem
Todos sabem que a finalidade deste site é relatar as viagens que nós fazemos de carro. Só que vou abrir o precedente agora. Sempre que viajarmos e tivermos informações úteis pra compartilhar vou colocar por aqui, independentemente do meio escolhido pra isso. Então confira agora o bônus track da nossa viagem ao Nordeste: Fernando de Noronha.

[sancho]

Dia 18 - Por Arica/CHI

Uepa!

[03/05] Dia 18 - Por Arica/CHI
Depois de uma boa noite dormida, decidimos fazer um passeio para o Parque Nacional Lauca, onde é possível avistar o lago Chungará aos pés dos vulcões gêmeos Payachatas (Parinacota e Pomerape). A distância entre a cidade de Arica e o parque é de cerca de 150Km, então achávamos que dava pra fazer o passeio a qualquer hora.



Ao pegar a estrada e rodar cerca de 40Km, havia uma barreira estilo siga-pare na estrada. Ao chegar na barreira, era nossa vez de ficar parados. Aproveitei pra trocar ideia com uma funcionária da obra. Falei que estávamos a caminho do Parque Lauca e ela estimou que chegaríamos lá entre 3 e 4 horas, aproveitaríamos por mais 1 ou 2 horas por lá e pegaríamos o mesmo tempo de volta. Ou seja, agora era meio-dia, então chegaríamos em Arica no retorno por volta de meia noite. Fiquei assustado. Segundo ela, o trecho com o obras se estende por quase 40Km. Além disso, a estrada é muito cheia de curvas; estamos saindo do nível do mar para ir até 4500m de altitude, tem o rendimento do carro que vai diminuir; a estrada também é um dos principais acessos a Bolívia vindo do Pacífico, e os bolivianos utilizam o porto de Arica para o transporte de produtos, então é muito comum ver caminhões transportando containeres e veículos, dirigindo imprudentemente. Para piorar, a bateria do carro estava quase no fim, o que poderia representar um problema, caso viéssemos a ter problema lá em cima. Enfim, depois de todos os argumentos, resolvemos seguir a sugestão dela e realizar o passeio no dia seguinte, logo cedo, pois antes das 8 o siga-pare ainda não tem iniciado, então a subida é livre.

Contexto histórico
Voltamos para cidade de Arica e fomos dar uma volta no centro almoçar e depois conhecer o Morro de Arica. Aproveitei também pra trocar a bateria do carro. Inicialmente fazendo parte do território peruano, somente em 1929, após o Tratado de Lima, uma das resoluções da Guerra do Pacífico, determinou-se que Arica pertenceria ao Chile. O porto de Arica sempre teve papel importante na economia já que desde antes do tratado, e até hoje, ele é utilizado para escoar mercadorias que chegam nos navios até La Paz, na Bolívia. Bolívia, que até antes da Guerra tinha acesso ao mar pela região de Antofagasta, mas que, assim como o Perú, perdeu parte do seu território para os chilenos. Invocados esses caras.

Essa introdução foi para contextualizar e dizer que em cima do Morro de Arica, além da vista privilegiada da cidade e do Pacífico, é possível visitar um museu e ver monumentos dedicados aos que deram sua vida durante a guerra. No morro também tem o Cristo de la Concordia, e várias bandeiras chilenas, com destaque pra uma que é ignorante de grande. Absurdo.

Ao fim do passeio, voltamos pra pousada e fomos nos preparar para o passeio para o Lago Chungará e pros vulcões gêmeos amanhã.

Abrax,

Cabeça

Postagens mais visitadas deste blog

14/06 - 2º dia » de Joanesburgo a Durban (Africa do Sul)