Post em destaque

Fernando de Noronha gastando pouco

Imagem
Todos sabem que a finalidade deste site é relatar as viagens que nós fazemos de carro. Só que vou abrir o precedente agora. Sempre que viajarmos e tivermos informações úteis pra compartilhar vou colocar por aqui, independentemente do meio escolhido pra isso. Então confira agora o bônus track da nossa viagem ao Nordeste: Fernando de Noronha.

[sancho]

28/06 - 16º dia » por Cape Town - Table View, Milnerton, Hout Bay, Water Front

Opa. E aí?!

Sabadão, penúltimo dia de Cape Town. Hoje o dia envolve passear por Cape Town, almoçar em Hout Bay e procurar um lugar mais ou menos pra assistir o jogo do Brasil contra o Chile.

Logo depois do café, saímos da região do Green Point onde estamos hospedados e pegamos rumo Table View, que fica do outro lado de Cape Town, pra onde ainda não tínhamos ido. Viemos pra cá por sugestão do Helinton, no bate-papo de ontem. Inicialmente, a gente queria fazer o passeio até a ilha onde Mandela ficou preso, a Robben Island, mas conversando com ele e ouvindo outros relatos, por se tratar de um lugar pesado, resolvemos não ir. Helinton disse que valeria mais a pena ir a Table View que teríamos uma vista da Table Mountain parecida com a vista a partir da ilha. Então fomos buscar a Table View.

 [table mountain a partir de table view]

Table View é um bairro que fica a pouco mais de 20 Km de Green Point. Demoramos um pouco pra achar, pois nos guiamos por algumas placas e acabamos entrando num bairro residencial, cujas ruas vão dar na beira de um lago de onde é possível ver a montanha. Muito bacana a vista, mas esperava mais. Ao sair de lá, fomos voltar pra Green Point pelo litoral. Qual não foi a surpresa ao chegar na praia e saber que ali que era o Table View mesmo. Um calçadão a beira-mar, muita gente praticando esportes, dentro e fora d'água, clima ameno e uma vista sensacional da Table Mountain. Bem verdade que não era muito diferente no que vimos a partir do bairro residencial, mas é outro clima.
 [table mountain a partir de sunset beach]

De lá, pegamos sentido Hout Bay, porém, beirando o mar o tempo todo. No caminho encontramos por acaso o Mercado das Pulgas de Milnerton. Tinha visto uma matéria sobre ele naquele programa da Band, "O mundo segundo os brasileiros", e tinha achado interessante. Ou seja, tivemos que parar. Demos um giro por ali e curtimos. Tem muita barraca e quem tá por ali é aquela pessoa que não é comerciante profissional, mas que tem suas quinquilharias em casa e quer colocar à venda. Isso faz com que o cliente encontre bons produtos a preços bem camaradas. Vale a visita.

 [indo em direção ao green point]


 [estacionamento do flea market de milnerton]


[quin...

...qui...

...lharias]



Compramos umas besteiras e vazamos sentido Hout Bay. Hout Bay é uma que conhecemos a alguns dias quando fizemos a rota até o Cabo da Boa Esperança, lembra? Dia de hoje tem uma feirinha bem bacana que rola num pier no fim da praia.



 [artesanato de hout bay]

Mas antes, a gente pegou um passeio de barco que margeia a costa de Hout Bay, com a parada na ilha das focas. O barco chega bem perto da "ilha", que na verdade é rochedo no mar em que os bichos vão lá pra lagartear. Mas uma galera. Detalhe que eles são barulhentos e fedem pra danar. Mas, a ilha é deles. Nós vamos lá de enxeridos, então não temos o que reclamar. Passeiozinho massa e o tour dura cerca de 45 minutos.

[o passeio margeia hout bay]





[até chegar na ilha das focas]

[não é pedra ali em cima do rochedo]







 [tô vendo nada ai]

Terminado o passeio, finalmente a feirinha. Chegamos lá, muita coisa. Na entrada, muitos produtos artesanais e lembrancinhas de toda natureza. Ao entrar no pavilhão, barracas de comida e música ao vivo. Pra quem quer fugir da muvuca de dentro, tem um deck ao ar livre que é bom de ficar. Fizemos um rango por ali (hot dog, um arroz com carne e um quase-sushi que tava muito bom) e fomos simbora.

[entrada do bay harbour market]



[coisa finíssima esse lugar]

[vale a visita]

 [lanchoço]

De Hout Bay puxamos pra Green Point. Mais precisamente Water Front. Era hora de andar na roda gigante. Não tô brincando. O Water Front é como se fosse um Shopping (ou vários) a céu aberto (ou não), rodeado de hotéis e que tem no meio uma roda gigante. Sim, também tem oceanário, museu do rugby e trocentas milhões de coisas. Mas tem uma roda gigante. Sem muito guéri-guéri, fomos lá contemplar aquele dia invocado que tava fazendo sob outro ponto de vista.

[ói ela]


 [criançada feliz]

Enquanto a roda girava, vimos algo inusitado no mar. Durante toda a viagem a gente falava da possibilidade encontrar baleias e tals, mas não tivemos uma nesga de sucesso na busca. Pois bem... A espera acabou. De lá de cima eu vejo uma mancha no mar lá longe. E bota longe nisso. Quase tão longe quanto um leão que vimos no Safari mais pra frente. Ops! Me adiantei. Voltando... eu tava vendo aquela mancha se movimentando no mar e subindo pra respirar soltando aquele esguicho característico. Não tinha mais dúvida. Era uma baleia. Acabou o tempo da roda gigante, fomos procurar um mirante pra tentar ver a danada mais de perto. Sem muito sucesso, pois elas estavam se afastando da costa. "Elas" mesmo, pois eram duas. Contemplamos o adeus delas a distância e voltamos pro meio do Water Front satisfeitos com o resultado.

 [não, não é seu monitor que tá manchado. sim, tem uma baleia...]

Quase anoitecendo, fomos procurar um lugar pra comer e assistir o jogo Brasil x Chile pela Copa. No caminho esbarramos com um grupo tocando e cantando músicas africanas. Paramos pra curtir e dar uma força comprando o cd deles.


[cantando e tocando shosholosa]





 [essa pintura aí ficou bem famosa]

Depois, mais um giro pelo Water Front até escolher um bom bar pra assistir o jogo. Valeu a pernada. Lá eles serviam lanches que tinham relação com os times que iam jogar naquele dia. No nosso caso, um dos lanches era uma coxinha. Putz que beleza. Era a coxinha não-coxinha mais gostosa que comi. Sim, pois se assemelhava mais tinha um sabor muito bom. Aprovados meus amigos sulafricanos. Durante o jogo o nervosismo tomando conta até que chega a hora dos penaltis. Percebo a distância que devia ter mais alguns raros brasileiros ali no bar. Até então o Brasil não tinha perdido e a gente tava acreditando que tinha sido por nossa causa, pois o nosso ritual tava sendo mantido desde o primeiro jogo, que era assistir aos jogos acompanhados de algum brasileiro (que depois adaptamos para alguém que falasse português, já que assistimos a um deles junto dos nosso amigos angolanos). Dito e feito. Troquei uma ideia rápida com o brasuca durante os penaltis e falei pra ele que ficasse tranquilo que aquele era nosso. No fim, ele me agradeceu.

Exaustos e felizes, voltamos pra casa com a sensação do dever cumprido.

Aquele Abrax!

---------------------

Dados de Bordo:

Km rodados: +-80Km de Green Point - Table View - Hout Bay - Green Point (rodovias R27 e M6. impecáveis)
Abastecimentos: 1 - 408 rand (~R$ 90)

Hospedagem
Big Blue Backpackers Lodge [Cape Town] - 2450 rand (~R$ 540. Sete diárias, pro casal), estacionamento na rua, em frente ao hostel. Sem café da manhã. Banheiro compartilhado.

Alimentação
Lanche do Almoço: Bay Harbour Market [Hout Bay]. Não lembro quanto, pois não anotei.
Lanche do Jantar: Mondiall, Water Front [Cape Town] - 390 rand (~R$ 84), pra dois, com as bebidas.

Postagens mais visitadas deste blog

14/06 - 2º dia » de Joanesburgo a Durban (Africa do Sul)