Post em destaque

Fernando de Noronha gastando pouco

Imagem
Todos sabem que a finalidade deste site é relatar as viagens que nós fazemos de carro. Só que vou abrir o precedente agora. Sempre que viajarmos e tivermos informações úteis pra compartilhar vou colocar por aqui, independentemente do meio escolhido pra isso. Então confira agora o bônus track da nossa viagem ao Nordeste: Fernando de Noronha.

[sancho]

20/06 - 8º dia » de Wilderness a Oudtshoorn, via Garden Route

Sim, mas...

Acordamos cedo pra pegar o café da manhã continental da pousada. Café da manhã que é coisa rara nessa viagem, já que a maioria das diárias que pegamos não conta com isso. O café da manhã estilo continental, tem pão, ovo, presunto, queijo, cereais, iogurte, suco, salada de fruta e por aí vai. É bem interessante. Tomamos o cafezão, pegamos as coisas e fomos embora.
 
[vista da nossa varanda]


 [fachada do xanadu guest villa, wilderness]

Hoje o destino é Oudtshoorn, numa pernada de aproximadamente 70Km pra dentro, nos afastando do litoral. Coisa leve. E os passeios de hoje serão para o Parque Nacional de Wilderness, aqui perto, e passeio pela caverna de Cangos Cave, lá em Oudtshoorn.

Saindo do Xanadu Guest Villa, voltamos uns 2Km pela N2, até o acesso para o Parque Nacional de Wilderness (o primeiro acesso estava em manutenção. Tivemos que pegar o segundo, que dá uma volta passando pela Hoekwil Road e WaterSide Road). A sinalização para ele é um pouco deficitária. Uma dica é ficar esperto nas placas que trazem o emblema do SAN Parks (Parques Nacionais da África do Sul), que é o desenho do chifre de um Kudu, uma espécie de cervo. Viu a placa, tá no caminho certo. Da rodovia até a entrada do parque é mais ou menos uns 1Km, então rapidinho já estávamos lá na recepção.

[plaquinha que indica o caminho para a trilha do parque nacional]

 [na entrada do alojamento do parque. a trilha fica do outro lado da rua]

Compramos os tickets, deixamos o carro do outro lado da entrada do parque, onde fica a Ebb & Flow Rest Camp (North) e fomos para o início da trilha, que fica logo depois de atravessar a pontezinha sobre o Touwsriver. A trilha Kingfisher é de aproximadamente 3,6Km e finaliza na Waterfall. É uma trilha fácil de fazer, pois é plana em sua maior parte, com alguns trechos de sobe e desce mais perto do fim. Em muitos trechos há plataformas para facilitar a caminhada e os sobe-desce.

[a trilha em boa parte é em campo aberto]

 [trilhando]

Um ponto interessante do caminho é quando temos que cruzar um rio através de um botezinho que está amarrado a uma corda que o leva de uma margem à outra.

[botezinho controlado pelo visitante]


 
Demoramos uns 40 minutos para chegar ao final, onde tem uma queda d'água pro turista apreciar enquanto descansa da pernada. Eu não tinha visto em foto e esperava uma cachoeira maior, mas ela é bem humilde. Depois da parada pro decanso, pegamos a trilha de volta, pegamos o carro e fomos embora de Wilderness.

[a trilha é toda sinalizada]





 [cachoeira no fim da trilha]

Logo na saída de Wilderness, vemos um trecho da ferrovia que ligava Wilderness a Mossel Bay, mas que está desativada desde de 2006, devido às chuvas que causaram destruição na região. Vimos algumas fotos da época em que funcionava. Devia ser massa fazer um passeio por ela. Paramos pra dar um look e seguimos viagem.

[saída do parque]

 [trecho da ferrovia que ligava wilderness a mossel bay]

Pra chegar em Oudtshoorn, saímos da N2 e Pegamos a N9, sentido George, e depois pegamos a N12. Logo após George, ao subir a serra tem vários mirantes com vistas sensacionais da paisagem em volta. Vale a pena a parada.



 [paradinha pra contemplar]

[pela n12]




Chegamos em Oudtshoorn ainda em tempo de pegar um passeio na Cangos Cave. Deixamos as coisas na pousada e fomos até lá. Da cidade até a Cangos Cave dá uns 30Km.

[uma conferida no hostel antes de ir pra cango cave]






 [caminho para a cango cave]

Faltava 5 minutos para iniciar o último passeio do dia, às 16h. Compramos o ticket e nos juntamos ao grupo que iria fazer o passeio. Existem dois passeios na Cango Cave: o Heritage Tour, de 60 minutos, e o Adventure Tour, de 90 minutos. Pegamos o Heritage, que é mais curto, mas era o único disponível para o horário. De toda forma, fomos informados que o Adventure Tour não é pra qualquer um. É cheio de recomendação para quem sofre com claustrofobia, pressão alta, asma e por aí vai.

 [entrada da cango cave]


O passeio pela caverna é guiado e lá soubemos que a caverna já é explorada há centenas de anos. A elite sulafricana costumava utilizar a Cango Cave para realizar eventos, como óperas e missas. Durante o tour, passamos por diversas câmaras, cada uma com seu apelido geralmente associado ao tipo de escultura natural que encontramos ali. O passeio durou pouco menos de uma hora, mas valeu o ingresso. É surpreendente ver do que a natureza é capaz.

 [por uma das câmaras da caverna]












Voltamos pro hostel e logo em seguida fomos dar uma volta na cidade e rangar. Deu pra sentir que Oudtshoorn é bem movimentada e turística. Paramos num restaurante, comemos ao som de música ao vivo, e fomos dormir. Amanhã voltaremos ao litoral.

Aquele abrax!

Cabeça

---------------------

Dados de Bordo:

Km rodados: 73
Abastecimentos: 0

Estrada
Rodovia N2, depois N9, sentido George, e N12, sentido Oudtshoorn (Garden Route). Pista simples. Excelente asfalto e sinalização.
Pedágios: 0

Outros
Parque Nacional de Wilderness: 200 rand (~R$ 44), pros dois
Cango Caves, Oudtshoorn: 160 rand (~R$ 35), pros dois

Hospedagem
Earthbound B&B [Oudtshoorn] - 550 rand (~R$ 120. Uma diária, pro casal), estacionamento no próprio hostel. Com café da manhã.

Alimentação
Sem almoço. Só lanche durante o caminho.

Postagens mais visitadas deste blog

14/06 - 2º dia » de Joanesburgo a Durban (Africa do Sul)