Post em destaque

Fernando de Noronha gastando pouco

Imagem
Todos sabem que a finalidade deste site é relatar as viagens que nós fazemos de carro. Só que vou abrir o precedente agora. Sempre que viajarmos e tivermos informações úteis pra compartilhar vou colocar por aqui, independentemente do meio escolhido pra isso. Então confira agora o bônus track da nossa viagem ao Nordeste: Fernando de Noronha.

[sancho]

15/06 - 3º dia » por Durban

Terceiro dia de viagem, hora de conhecer um pouco de Durban. Não levantamos cedo, por vacilo. Acordamos de madrugada, ainda desorientados com o fuso e depois dormimos além da conta. Nossa missão hoje é somente conhecer o Estádio de Futebol de Durban, o Moses Mabhida, e o oceanário de Durban, no Ushaka Marine World.

Saímos do hostel perto de meio dia, com tempo bom e temperatura agradável. Deu pra ficar de camiseta, numa boa. Ao chegar ao estádio já havia saído uma turma para a visita interna, que é de hora em hora. Compramos o ticket para a visita que iria iniciar às 13h. Também compramos tickets pro skytour, que é feito por um bondinho que leva os visitantes do solo até o topo do estádio, no centro. Coisa de maluco o negócio. Enquanto não dava a hora, paramos num botequinho pra tomar uma. Gostei do padrão deles de servir chopp (drafts). Num copão de 500ml. Muito bom. Algumas cervejas populares aqui: Black Label, Hansa, Castle e Windhoek. Mais adiante falo mais sobre as cervejas que se bebe por aqui. Na frente do estádio tem uma porrada de lojinha, barzinho e restaurantes que ficam abertos pros indianos, digo, pro povo fazer a festa. Eu brinquei, mas é que Durban possui a maior concentração de indianos fora da Índia. Realmente é muito grande a presença deles por aqui. Em volta do estádio, no chamado Kings Park (aliás, era o nome do antigo estádio que foi demolido para dar lugar a esse novo), tem muitos atrativos pros cidadãos de Durban, e pros turistas, claro. Também é possível alugar diversos tipos de meios de locomoção, como bikes ou segways, para que voce possa explorar não só o entorno do estádio, mas tambem o calçadão à beira mar, que fica so a alguns metros do estádio.

 [estadio moses mabhida, durban]

[no envolto do estádio]


 [entrada do bondinho. daqui a pouco]

13h fomos até o ponto de encontro, esperar pelo grupo que ia sair para visitar o estádio. Um grupo pequeno. Eu, Angélica e mais 4 pessoas, fora o guia. Tem uma visita rápida e outra demorada. A nossa era a rápida e deveria ter 1 hora de duração, mas acho que por ter pouca gente, a fizemos em 45 minutos. Demos uma volta pela arquibancada, descemos até perto do gramado, fomos aos vestiários e a sala de imprensa.




 [dá pra fazer um passeio à pé ao topo do estádio]

Terminada a visita, voltamos para a frente do estádio e ficamos na fila do bondinho. Uma meia hora de espera e lá fomos nós ao topo do estádio. Cada grupo de visitantes é composto por 20 pessoas, por viagem. Lá em cima o visitante pode ficar por até 20 minutos, mas como a gente tinha pressa ficamos somente 10 minutos. De lá de cima tem-se uma visão geral de boa parte da cidade. Ao lado, dá pra ver o estádio de o rugby Growthpoint Kings Park, lar dos Sharks. Rugby, que assim como o futebol, é outra paixão sulafricana. Tiramos algumas fotos, curtimos o visual e descemos.



 [minipanorâmica da orla de Durban]



[Growthpoint. Lar dos Sharks]

Agora a correria era pra chegar no aquário a tempo de visitá-lo. Chegamos no Ushaka Marine World la pelas 16h. Fomos nos informar sobre a visita ao aquário e fomos orientados a esperar um pouco mais, até 16:30. Como o parque fecha às 17h, seria bobeira pagar pela diária, que custa cerca de 150 rand. Ai o próprio funcionário, sabendo que a gente não iria aproveitar muito tempo a visitação, sugeriu que fôssemos às 16:30 que pagaríamos 55 rand cada. Excelente. Com isso, fomos até o Moyo, boteco no pier logo em frente, tomar um pra relaxar. Coisa fina o visual. Aliás, coisa fina toda a orla de Durban. Dava pra vir pedalando de lá do estádio no Kings Park até aqui, que dá uns 6km, numa boa. Se a gente tivesse acordado cedo aproveitaríamos melhor esse dia.



 [Moyo, no pier]

Ok, depois do mé, seguimos pro oceanário. O Ushaka é na verdade um complexo aquático, com parque e o escambau. O que interessava pra gente era só o lance do aquário. Rapaz, que negócio interessante esse. Os caras fizeram um oceanário que fica dentro (e fora) de um navio real, gigante. Coisa de doido, também. Lá dentro você só não vê baleia, mas de resto, vê tudo. O principal, pra mim, e a ala dos tubarões. Colocaram alguns monstros ali dentro e é massa a sensação de proximidade com o bicho. Vale muito a pena a visita. Acabamos ficando aqui por cerca de uma hora.


[olhaí o que é o oceanário]

[internamente]





Saímos de lá e vimos que em volta do Marine World tem uma estrutura também voltada para o turismo. Muitos bares, lojas, praças. Interessantíssimo o esquema aqui. Escolhemos um restaurante e comemos pratos de massas com frutos do mar. Coisa fina.

 [jantinha]

Fim de passeio, pegamos o beco e voltamos pro Sky Minning dormir, que amanhã tem chão.

Abrax,

Cabeça

---------------------

Dados de Bordo:

Km rodados: poucos. Só dentro de Durban.

Estrada
Rodovia N2, que liga Durban a Warner Beach

Hospedagem
Hostel Blue Sky Mining [Durban, Warner Beach] - 700 rand (~R$ 145. Duas diárias, pro casal), com estacionamento no próprio hostel. Sem café da manhã.

Alimentação
Chopes no Moyo e no Cuba: 20 rand (~R$ 4,50) cada
Janta em Durban: 180 rand (~R$ 38) pros dois, com as bebidas

Outros
Visita ao estádio Moses Mabhida e Skytour: 185 rand (~R$ 40) pros dois
Visita ao Oceanário Ushaka Marine World: 110 rand (~R$ 23) pros dois

Postagens mais visitadas deste blog

14/06 - 2º dia » de Joanesburgo a Durban (Africa do Sul)