Post em destaque

Fernando de Noronha gastando pouco

Imagem
Todos sabem que a finalidade deste site é relatar as viagens que nós fazemos de carro. Só que vou abrir o precedente agora. Sempre que viajarmos e tivermos informações úteis pra compartilhar vou colocar por aqui, independentemente do meio escolhido pra isso. Então confira agora o bônus track da nossa viagem ao Nordeste: Fernando de Noronha.

[sancho]

26/03 - 5º dia » de Montevidéu à Buenos Aires/ARG, com escala em Colônia del Sacramento

Apesar de ter dormido cedo ontem, acordar cedo hoje não foi possível. Mas como o trecho é curto, cerca de 170 km, sem bronca. Saímos do hotel por volta das 10:00 da matina. Paramos numa mercearia, pegamos nosso desayuno e fomos sentido Ruta 1, que nos leva até Colônia del Sacramento. Ainda em Montevidéu, primeira parada pra abastecimento em terras uruguaias. Meu amigo, gasolina a R$ 3,70/l, dá pra tu? E eu reclamando dos R$ 2,99 da fronteira, brincadeira...  Não completei. Pus só o suficiente pra chegar tranquilo em Colônia. Chumbeta abastecido, dá-lhe Ruta 1. Outro tapete. Dá gosto dirigir por essas estradas uruguaias. E da mesma maneira que a Ruta 8, sem movimento. Tudo muito tranquilo. Chegamos em Colônia 12:30. Parada no posto de informações turísticas, pegar um mapinha pra ajudar no rolé e ir comprar o ticket pro Buquebus, o ferryboat que faz a travessia de Colônia pra Buenos Aires (confira detalhes aqui). Há dois tipos de travessia, a rápida, de 1 hora, e a lenta, de 3. Como não tínhamos pressa nem dinheiro sobrando, três é o nosso número. Ticket comprado (UR$ 276000,00, cerca de R$ 276 reais, pro carro e pra nós dois), fomos dar a volta na cidade pra fazer hora até às 18:00, horário do check-in.

[fachada do iberia]

[rua do hotel] 

 [caminho pra colonia] 


Patrimônio histórico e cultural da humanidade, Colônia preserva ruas e casas com suas características originais de 100, 200 anos atrás. A cidade é pequena, porém muito agradável. Vale a pena passar um (dois, três...) dia por ali, desvendando cada ruazinha daquela e sabendo mais sobre a história do lugar. Isso pode ser feito de várias maneiras, como à pé, de bike, carrinho de golfe (US$ 45,00/dia) e etc. 18:00, hora de por o chumbeta a postos no terminal de embarque.

[plaza de los toros]

[rua de colonia]

[um muelle de colonia]

[tranquilidade]

[sossego de colonia]

[farolete]

[ruas históricas]

[casal cara de pau. qual?]

[leia aí]

 [vista do farol]

[calle de los suspiros]

 [de nuevo]

Depois é fazer o check-in, passar pelo trâmite da imigração (saída de um país pra entrada no outro) e aguardar ser chamado pra embarque, às 19:00. Nessa hora, o condutor sai da fila e vai ao carro guiá-lo pro estacionamento no porão do navio. O Buquebus tem um porte grande, podendo levar em seu interior além de 130 carros, 1200 pessoas.

Conforme prometido, às 22:00 estávamos chegando a Buenos Aires. Friaca do caradjo. Com o lema "GPS é pros fracos", fomos desbravar a capital portenha na unha em busca de um hostel. Um pouco difícil na saída do porto apenas, pelo horário estava fácil dirigir em Buenos Aires. As ruas na sua maioria estão sinalizadas, facilitando nossa vida, e também seguem o esquema binário, em que uma só vai e outra só vem. Fomos em direção a San Telmo, onde Angélica já tinha ficado certa vez e tinha boas referências. Sem sustos e com a ajuda de um trecho de mapa, chegamos ao hostel One. Em princípio, tranquilo pra gente ficar. Quarto amplo (até quádruplo), com varanda e banheiro privado por AR$ 210. Ok, fechamos por um dia e descemos pra jantar. Sim, o hostel ficava no primeiro andar de um prédio que tinha um restaurante no térreo, o Manolo restaurante. Muito bom o restaurante (com tema de futebol e outros esportes), o atendimento (um pouco diferente de Montevidéu. Mais amigável) e a comida. Uma bela ternera recheada, junto com uma macarronada a San Telmo. Coisa fina. Pelo jantar pagamos AR$ 150,00 (ou R$ 70,00 mais ou menos). Fim de papo, depois foi só banho e dormir. Aí foi que o hostel pecou. O banho era uma porcaria. A água não esquentava e na noite fria que tava Buenos Aires foi difícil. Foi um dos motivos que nos levaram a sair de lá. Mas isso é conversa pra amanhã.

Abrax!

-------------------------------------------------------------------------------

Dados de Bordo

Km rodados: 189
Horas de estrada: 2h30min
Número de pedágios: 2
Gasto com pedágios: UR$ 100,00 (cerca de R$ 10,00)
Abastecimentos: 1
Gasto com abastecimento: UR$ 740,00 (aproximadamente R$ 74,00)

Total km rodados: 1768

Hospedagem
Hostel One - Calle Bolívar, 1291, San Telmo
Diária (casal): AR$ 210,00 (algo em torno de R$ 100,00 pro casal)

Rodovias
Ruta 1/URU - Duplicada em quase todo o trecho - Asfalto bom. Tráfego zero. Faróis acesos o tempo inteiro. Pedagiada.

Postagens mais visitadas deste blog

14/06 - 2º dia » de Joanesburgo a Durban (Africa do Sul)