Post em destaque

Fernando de Noronha gastando pouco

Imagem
Todos sabem que a finalidade deste site é relatar as viagens que nós fazemos de carro. Só que vou abrir o precedente agora. Sempre que viajarmos e tivermos informações úteis pra compartilhar vou colocar por aqui, independentemente do meio escolhido pra isso. Então confira agora o bônus track da nossa viagem ao Nordeste: Fernando de Noronha.

[sancho]

22/12 - 4º dia » de Itaúnas/ES à Arraial D'ajuda/BA

Acordamos às 08:15 e tomamos um cafezão invocado na pousada. Após isso, a ideia era atualizar os órfãos desse blog com informações dos dois últimos dias, porém não foi possível. Não conseguimos conectar a internet com o 3G da pousada. Desistimos. Nesse momento a intenção ainda era sair do Espírito Santo e percorrer o litoralzão da Bahia até Ilhéus. Conversando com Felipe, responsável pela pousada, recebemos algumas dicas sobre o percurso. Segundo ele, por conta das condições precárias da estrada num bom trecho até lá, seria muito puxado pra gente tirar numa pegada só. Felipe sugeriu ir até  Arraial D'ajuda e no outro dia continuar viagem. Sugestão aceita pelos Comedores de Estrada. Dessa forma, sem ter que ficar com um olho na raposa e outro na cachaça, fomos dar um giro na vila e curtir um pouco do que ela tinha pra oferecer. Felipe cedeu as bikes da pousada pra gente dar uma banda (não musical) até as dunas. E fomos camelar. A vila de Itaúnas é pequena e acolhedora. O tempo ali parece que anda mais devagar. Seu acesso é por uma estrada de terra por cerca de 15 km. Não possui bancos nem hospitais. Seu atrativo é sua gente, sua tranquilidade e seu forrozinho tradicional. Chegamos nas dunas e as atravessamos pra conhecer a praia. Na volta ainda passamos próximo ao lugar onde ficava a vila antiga, hoje soterrada. Tonho "Indiana Jones" Uva já mapeou o sítio arqueológico e nos presenteou com informações importantes sobre o seu achado, como quando disse, por exemplo: "aqui tem uma parede!". Depois da revelação, voltamos a pousada e recebemos do Felipe uma referência pra ficar em Arraial. Nos despedimos, recolhemos a lona do circo e tocamos pra "Arraiá" (não a festa junina de são joão).


[Fazendo trilha até as dunas, Itaúnas]


[Capa do cd Os Alquimistas estão chegando, duanas em Itaúnas]


Saindo de Itaúnas, pegamos um caminho de terra que leva a Riacho Doce, um lugar paradisíaco que não tivemos oportunidade de conhecer dessa vez. Esse caminho é diferente do que pegamos para chegar. O trecho de terra é mais longo, cerca de 40 km, porém nos poupa de fazer um "arrodeio" maior, não tendo que voltar cerca de 100 km até encontrarmos o mesmo ponto na BR-101. Já na BR-101, próximo à Teixeira de Freitas, sul da Bahia, vimos uma placa informando que a rodovia estava sendo submetida à obras de  revitalização pelos próximos 122 km. Com isso presumimos que os pontos que o Felipe havia mencionado como problemáticos pudessem já estar recuperados. E foi o que constatamos. Muitos trechos recapeados. Outros com asfalto cobrindo apenas os buracos. Considerando que a BR-101 nesse trecho é administrada pelo Governo Federal, sua condição de diribilidade é boa. Apresenta o já conhecido tráfego de caminhões, mas possui boas retas que compensam o tempo perdido atrás deles. A gente percebe também muita cordialidade entre os motoristas. Caminhoneiros ou não. Ninguém querendo f*@#$der o outro. Quando percebem que algum mais imprudente faz alguma cagada eles não forçam a barra. Até porque sabem que qualquer presepada que possa acontecer sobra pra todos os que estão próximos.


[Fazendo a dancinha da vitória após ganhar um mcdunas colosso feliz de brinde, Itaúnas]

Enfim, Arraial (não o do cabo, mas sim o d'ajuda). Depois de xxx horas de estrada e xxx km percorridos, apontamos em nosso destino. Chegamos no finzinho da tarde, xxx h, hora local. Da Bahia pra cima não tem horário de verão, então "ganhamos" uma horinha de estrada! Entre aspas, pois o sol também se põe mais cedo por aqui. Mas chegamos em tempo suficiente pra dar uma checada no visual do litoral e ainda dar um mergulhinho pra sentir o gostinho do mar nordestino pela primeira vez na viagem. Fomos procurar a pousada que nos foi indicada pelo Felipe - diga-se de passagem, bem ajeitada. Lá, fomos atendidos pelo Marcos, torcedor atleticano, com quem o galego logo estabeleceu uma relação amistosa, de camaradagem. Depois fomos jantar no restaurante Paulo Pescador (mene, valeu pelo guia 4 rodas), um dos mais bem indicados da região. Foi bobó e estrogonofe de camarão até estufar. Bom pra c@#$lho, fora o atendimento personalizado! De lá, uma volta de reconhecimento no centrinho. Lugar bacana. Tem uma feirinha hippie, artesanato, comidas típicas, uma avenida de compras. Lá Tonho Uva encontrou um brother, Mestre Elias, um guerreiro das antigas, e tiveram oportunidade de prosear um pouco sobre um amigo em comum (José Arbonísio) e matar saudades. Bons tempos hippie. Ah, e fica a dica também: não ande pelo centrinho descalço tentando comprar chinelo por lá. Eles não toleram turistas maltrapilhos. Depois do trauma, fomos pra pousada. Descansar e tentar postar alguma coisa no blog. Mas Murphy vem andando de braços dados com os Comedores não permitindo que a gente atualize esta bagaça. Na medida do possível vamos colocando notícias atualizadas...


["Chegada"  na pousada, Arraial D'ajuda]


[Tonho Uva saudando Mestre Elias, o Chimbinha, Arraial]



[Feirinha de Artesanato, Arraial. Copyright Largo da Ordem®]

E por hoje, foi-se. Amanhã, rumo ao desconhecido...

Resumo de bordo do dia:
Km rodados: 358 (acumulados: 2270)
Paradas intermediárias: 2
Hora de saída (itaúnas): 11:50
Hora de chegada (arraial): 17:22
Rodovias percorridas: Estrada da carvoaria (saída de itaúnas) e BR-101.
Pedágios: sem pedágios
Condições da Estrada: Estrada da carvoaria com sinalização discreta. Trecho em terra, porém como devia ter chovido havia inúmeras poças de lama, algumas das grandes. Já na BR, boa sinalização e sem buracos. Os detalhes já foram citados.
Hospedagem anterior (itaúnas): Pousada Zimbaue. Atendimento ótimo. Além de cumprir bem o feijão com arroz, ainda nos brindaram com boas dicas sobre o percurso e dicas para passeios posteriores. Os responsáveis foram atenciosos, simpáticos e prestativos. Valeu, Felipe, Kelly e sua filhinha Laura. Pecou na falta de acesso a Internet. Tinha. Mas com a gente não funcionou. Por conta do calor uma piscininha também ia bem. Avaliação: 4 castores (0 - 5). Site

Confira (daqui a pouco!!) as fotos do segundo dia na íntegra aqui

Abrax!

Postagens mais visitadas deste blog

14/06 - 2º dia » de Joanesburgo a Durban (Africa do Sul)